Yves Ferrand, mais uma vez deu destaque ao numero de galinholas caçadas na Russia que se situará entre as, 230.000 a 300.000 que é segundo ele é um numero muito inferior ao das galinholas abatidas nos outros países europrus. Também segundo disse, cerca de 70% são abatidas durante a caça na Primavera (durante a "croule") e os restantes 30% no Outono com cães. O que vem contradizer e demonstrar o contrário do que muitas vezes é voz corrente de que o abate da espécie durante a "croule" causa mais estragos à população de galinholas do que a sua caça no Outono no sul da Europa.

Em resumo e uma vez mais as associações membros da FANBPO, deixaram um total compromisso por uma caça sustentável da galinhola a nivel europeu. 

">

Yves Ferrand, mais uma vez deu destaque ao numero de galinholas caçadas na Russia que se situará entre as, 230.000 a 300.000 que é segundo ele é um numero muito inferior ao das galinholas abatidas nos outros países europrus. Também segundo disse, cerca de 70% são abatidas durante a caça na Primavera (durante a "croule") e os restantes 30% no Outono com cães. O que vem contradizer e demonstrar o contrário do que muitas vezes é voz corrente de que o abate da espécie durante a "croule" causa mais estragos à população de galinholas do que a sua caça no Outono no sul da Europa.

Em resumo e uma vez mais as associações membros da FANBPO, deixaram um total compromisso por uma caça sustentável da galinhola a nivel europeu. 

" />

Conferência Internacional da Galinhola

2017-06-27 11:59:27

Conferência Internacional da Galinhola

A bonita cidade italiana de Florença recebeu no dia 17 de Julho a Conferência Internacional da Galinhola, onde estiveram presentes alguns dos melhores conhecedores mundiais da espécie.

A conferência teve lugar no auditório do hotel Villa la Stella em Florença. Os caçadores de galinholas italianos fizeram questam de marcar presença, enchendo por completamente a sala para ouvir os cientificos e os oradores das diferentes delegações ali presentes.

A longuissima conferência contou com as presenças de Al Stewart (Wildfire Biologist Michigan), Jaanus Aua (University of Tartu Estinian Ringing Center), Yves Ferrand e Kevin Le Rest (Office National Chasse et Faune Sauvage-ONFS), Bruno Meunier, Jean Louis Cazenenave e Hubert Maltot (Club National Bécassiers). Andrew Hoodless (Game and Wilfire Conservation Trust), Larry Taafee (National Woodcock Association of Irland), Lucas Micallef (Federazione Cacciatori Malta), David Gonçalves (Woodcock and Snipe Research Group - Wetlands International), Miguel Minondo (Club Cazadores de Becada), Paul Duchein (Association Suisse des Bécassiers), Denes Fluck (Associazione Beccacciai Ungheria), Piero Genovesi e Barbara Amadesi (ISPRA), Giovanni Bana e Massimo Marracci (CIC Itália), Marco Castellani (ANUU), Gianluca Dall'Olio (FIDC e FACE), Marco Tuti e Giuseppe Raho, Giovanni Giuliani, Gianluigi Gregori, Alberto Pellegrini e Silvio Spanó (Unione Beccaccia e Beccacciai Italia), Paolo Pennacchini e Jean Pierre Le Petit (FANBPO).

O momento mais importante da conferência, foi a apresentação publica do docomento FAROW. Essa apresentação esteve a cabo do responsável da Comissão Cientifica da FANBPO, que é também o responsável pela Comissão Cientifica da ANCG o nosso conhecido Dr. David Gonçalves. O documento contem toda a informação recolhida por mais de 7000 caçadores de galinholas europeus, dos quais fazem parte os caçadores de galinhola portugueses que colaboram com a ANCG na recolha de dados sobre as jornadas de caça à galinhola em Portugal (brevemente o documento estará disponivel na página da ANCG).

Na conferência foram expostos alguns problemas que ainda subsistem e preocupam a FANBPO no que diz respeito à gestam da caça sustentável da galinhola a nivel europeu. Larry Taffe da Irlanda sublinhou o facto de  a pressão da caça com cão de parar ser muito superior à da tradicional caça à "passagem". Disse que os grupos de caçadores estrangeiros que se deslocam à Irlanda em viagens de turismo cinegético, com cães equipados de novas tecnologias (beeper, GPS) estam a aumentar fortemente essa pressão. A tudo isto junta-se-lhe a importação destas galinholas abatidas para o mercado negro de alguns países europeus.

Yves Ferrand, mais uma vez deu destaque ao numero de galinholas caçadas na Russia que se situará entre as, 230.000 a 300.000 que é segundo ele é um numero muito inferior ao das galinholas abatidas nos outros países europrus. Também segundo disse, cerca de 70% são abatidas durante a caça na Primavera (durante a "croule") e os restantes 30% no Outono com cães. O que vem contradizer e demonstrar o contrário do que muitas vezes é voz corrente de que o abate da espécie durante a "croule" causa mais estragos à população de galinholas do que a sua caça no Outono no sul da Europa.

Em resumo e uma vez mais as associações membros da FANBPO, deixaram um total compromisso por uma caça sustentável da galinhola a nivel europeu. 

Partilha

Partilha nas redes sociais...